A maioria das pessoas que é ativa no mercado de trabalho, já pensou, ao menos uma vez, em ter a própria empresa. É um pensamento normal. A crise atual, o desemprego e a vontade de ter o próprio negócio; levam várias pessoas a pensar seriamente sobre isso. Muita gente se engana, achando que abrir uma empresa é fácil e que só precisa ter um local e dinheiro. Não é bem assim. Abrir uma empresa vai muito além disso. Pode até ser fácil abrir, mas manter-se no mercado, conquistar clientes, ter sucesso, saber lidar com o fracasso… tudo isso faz parte do que é de fato, ter o próprio negócio. Listamos aqui, 10 dicas, para te auxiliar a avaliar se realmente você tem perfil empreendedor e se vale mesmo à pena se dispor a dar um passo tão importante:

 

1) Perfil de liderança

Quem se dispõe a ser empreendedor, deve, ao menos, ter perfil de líder. O gestor de uma empresa é o responsável em tomar decisões, definir caminhos, soluções em tempo hábil e muitas vezes, sob pressão. Deve ter a habilidade de enxergar na dificuldade a oportunidade, ou seja, ele deve ser também, ousado e otimista. Deve ter facilidade em lidar com estratégias, marketing, pessoas dos mais variados gênios. A pessoa, que se dispõe a abrir o próprio negócio, deve, sobretudo, estar preparada, para os fracassos e saber motivar os colaboradores.

Gestores que veem os colaboradores como objetos, acabam não atingindo o crescimento ao longo dos anos, pois, as pessoas acabam ficando desmotivadas e não fazem nada além do que foi determinado como obrigação. Cabe ao gestor/líder, trabalhar com essas pessoas, de forma que se sintam um pouco donas da empresa e tenham a visão de que o maior ativo da empresa é o cliente e sendo assim, devem ser atendidos da melhor forma possível. Assim, a empresa cresce e obviamente, os colaboradores também.

 

2) A escolha do negócio, deve ser algo que te motive

Suas habilidades estão de acordo com a área de negócio que você escolheu? Você gosta disso? Está disposto realmente a investir tempo nesse ramo? Não basta ser uma área que dê um bom retorno financeiro. Tem que ser algo que faça seus olhos brilharem. Algo que você faça e se sinta bem fazendo isso. Sinta que não saberia o que fazer da vida, se não fosse isso. O começo de um negócio exige muito e é difícil. Se você gosta e tem habilidade para trabalhar com isso, terá chances de ter um negócio que dê certo. As dificuldades do dia a dia não te farão desistir e você vai encontrando meios de sobreviver, independente da parte negativa, deixando assim, com que sua aposta tenha sucesso. Mas se você não gosta de fato, do que escolheu e acabou chegando a esse ponto por motivos, como dinheiro, na primeira dificuldade, você desiste e todo investimento será perdido.

 

3) Fator fundamental: Quem irá trabalhar com você?

Se pensa em colocar a família, por ser um custo baixo, você está pensando errado e isso mostra que falta perfil empreendedor aí. Sua família poderá trabalhar com você no negócio, se tiver o mesmo espírito que você. Se tiverem habilidades necessárias para estarem no negócio. Se é o melhor amigo, que vai entrar, por ter o capital necessário para o início, também está errado. Se você pretende montar uma sociedade, essa pessoa deve ter perfil que se encaixe no negócio e vocês, além de amigos, devem funcionar bem trabalhando juntos. O amigo, deve ter um perfil complementar ao seu, que seja exatamente o que faltava para concluir o projeto do negócio. Aí sim, será a pessoa certa para trabalhar com você. Um negócio, pode começar do zero, sem problema algum, mas esse fator, de quem serão seus parceiros, é fundamental.

 

4) Pesquisa de mercado

A pesquisa de mercado irá definir se vale à pena ou não tentar esse tipo de negócio. Por ela, você saberá como está o valor praticado pelos seus concorrentes, se os fornecedores próximos a você valem à pena, se os clientes estão abertos a novidades no segmento. Qual será o tipo de público alvo. Como você irá mostrar que tem um negócio nessa área e está preparado a receber novos clientes. Como você irá conquistar o mercado. Atrair pessoas para serem clientes.  Através da pesquisa de mercado, você terá uma visão prévia de como funciona o negócio que você escolheu. Analise todos os pontos, com olhar crítico, veja o tempo que os concorrentes estão no mercado; veja o que conseguiram em termos de retorno; descubra se esse negócio que você escolheu é de retorno a curto, médio ou longo prazo. Tudo isso vai influenciar em sua decisão de começar ou não e precisa ser avaliado.

 

5) Planejamento do negócio

Se todas as etapas anteriores não fizeram você ficar em dúvida, é momento então de realmente começar a fazer “a máquina funcionar”. O planejamento te fará escolher as ferramentas essenciais para o seu negócio e determinar um ponto de início. Com o planejamento, você terá a visão realista de custos, despesas e possível lucratividade. E assim, saberá o quanto investir, como ficará seu fluxo de caixa, como será seu retorno financeiro e como irá manter o capital de giro. Cada segmento do mercado, tem seu custo inicial, tempo de retorno, riscos. O planejamento te dará uma visão do que você está empregando tempo e credibilidade. Muitos empreendedores têm dificuldade em separar o dinheiro da empresa e o pessoal. Isso deve ser algo bem claro em sua mente. Senão, o lucro da empresa, será usado para pagar a mensalidade da escola do filho e aí, quando precisar, cadê o capital de giro? Acabou o dinheiro do negócio e vai você, de novo, injetar verbas. Não é assim que deve funcionar. Você deve ter disciplina para investir, ter retorno do que investiu e usar esse retorno para somar ao valor inicial e seguir com o negócio. Só poderá usar essa verba, quando for de fato, um lucro que caminhe sozinho. É gerando dinheiro através do que foi investido, sem tirar para você mesmo, que você verá o lucro surgir. Quando o valor de lucro superar o valor investido e sobrar para investir mais, aí sim, poderá estimar um valor mensal para fazer retiradas.

 

6) Saber lidar com o fracasso e ter metas

Tenha em mente 4 palavras: foco, organização, disciplina e metas. O sucesso, dentre outras coisas, é o resultado do que você aprendeu com os fracassos. Você vai errar, é normal. Não é normal, errar duas vezes a mesma coisa; não se permita isso. Portanto, ao ver que errou, aprenda com esse erro, aproveite as oportunidades que o erro te trouxe, reflita e siga em frente. Defina estratégias para alcançar a meta. Mesmo que seja baixa, você deve ter metas. Elas farão com que você não recue. Grandes empreendedores dizem, que as pessoas não falham em seus negócios e sim, desistem; por não acreditarem que ia dar certo. Tenham em mente, que você vai buscar suas metas, competindo em um mercado ativo, com único objetivo: vencer. Obstáculos vão surgir, mas o que determina se serão barreiras para você, são suas atitudes. Aprenda a lidar com o fracasso e siga em frente.

 

7) Listar os gastos do início do negócio

Para começar, a empresa precisa de um local, autorizado pela prefeitura com devido alvará de funcionamento. Deverá ser registrada na Junta Comercial. Tudo isso deverá um custo estimado de R$ 700,00 a R$ 2.000,00. Muitas pessoas começam um negócio em casa, para se livrarem temporariamente desses custos. Você pode fazer isso, dependendo do negócio que deseja abrir.  Além desses custos com burocracia, você terá gastos com pessoal, despesas de água, luz, telefone; criação de marca; propagandas para atrair novos clientes. Alguns desses gastos, trabalhando de casa, você pode driblar, mas sendo uma indústria, por exemplo, o consumo de energia é alto e não pode ser feito com energia doméstica. O ideal, é fazer uma planilha e colocar tudo o que você vai precisar, para que assim, possa ter o valor listado dos gastos iniciais com o negócio. Com a listagem feita, dependendo do que escolheu para investir, poderá ter uma visão melhor e definir se pode ou não, começar em casa.

 

8) Tenha uma reserva de capital

Esse é o famoso “plano B” do seu negócio. Mesmo sendo que foi pesquisado, bem estruturado, analisado e planejado; está sujeito a não sair exatamente como planejou-se. Portanto, será necessário outro capital a ser investido. Então, é momento de usar a reserva. Claro que você pode nunca ter de usá-lo. Mas é necessária essa reserva para que, por exemplo, sendo revendedor, ao receber um grande pedido de atacadista, você tenha como comprar o material necessário e fazer o pedido para fechar a venda. Pode também, ser usado para gastos inesperados e impedir que você se desfaça de seus bens (carro, casa, etc.) ou pior: recorrer a empréstimos (os juros são altos e não é uma boa usar essa opção para continuar um negócio).

 

9) Definir o regime de tributação

Regime de tributação, é a forma como seus impostos serão apurados. Aqui no Brasil, você pode ter uma empresa tributada pelo simples nacional, lucro presumido ou lucro real. A escolha mal feita do regime de tributação, pode levar uma empresa a fechar as portas com alguns anos de funcionamento.

Veja como exemplo, esse caso: a empresa era um supermercado, do lucro presumido que passou a ser lucro presumido após colocar em seu CNAE (classificação nacional de atividades econômicas) a atividade de revenda de botijões de gás. Na época em que a empresa optou por essa atividade, tinha um bom lucro, estava no simples nacional e revender botijões era uma opção para aumentar o lucro. Mas, essa atividade, exigiu que a empresa migrasse para o lucro presumido. Assim, ela passou a ter que pagar um imposto maior, acabou tendo dívidas com o Estado e impostos parcelados, o lucro passou a ser pouco e estava a ponto de fechar as portas. Felizmente, recebeu uma assessoria contábil de qualidade que informou que a empresa, ao tirar do CNAE, a atividade de revenda de botijões, poderia voltar ao simples nacional e não precisaria deixar de revender os botijões. Assim, os donos da empresa, se dividiram em duas pessoas jurídicas. Uma ficou com o supermercado, outra com a revenda de botijões de gás (sendo prestadora de serviços, que mesmo estando no lucro presumido, pagava um imposto baixo) e o supermercado seguiu com ambas atividades, sem ter de fechar.

Opte pelo regime de tributação que mais se encaixar em seu perfil e analise bem se essa escolha é a melhor para a sua empresa.

 

10) Não seja vencido pelo medo

Sentir medo de algo que não conhecemos é muito comum. Não permita que ele te vença e que você deixe de lado seus planos de gerir o próprio negócio por causa dele. Saiba trabalhar na época de vagas magras e de vacas gordas. Nas magras, é momento para que você inove e tenha o máximo da capacidade da sua equipe. Em épocas de crise, como a atual, em nosso País enfrenta, exige inovação! Se você sente que os clientes estão sumindo ou comprando menos, faça com que comprem mais. Ofereça o que seus concorrentes não têm. Crie ideias que faça com as pessoas voltem a comprar. Um dos segredos básicos em negócios é o atendimento. O atendimento excelente, faz a pessoa comprar. E esse atendimento excelente, surge da satisfação do seu colaborador em ser parte da sua equipe. Essa satisfação dele, virá da forma como você o trata, como você o faz sentir. Viu? É importante o espírito de liderança do início ao fim do projeto! Desde o planejamento à execução. Se você tiver um perfil de líder nato, será capaz de fazer sua empresa sobreviver a crises, contará com ajuda de uma equipe motivada e vai sobreviver, enquanto vários fecharão as portas. Não desista. Seja a diferença em seu segmento de atuação.

Veja mais dicas em como abrir uma empresa em:

 

Não acredite em soluções milagrosas, contabilidade é coisa séria. O euContador é um escritório de contabilidade online, com mais de 30 anos de experiência no mercado contábil. Venha tomar um café conosco ☕, ou conheça nossos serviços, estamos à total disposição.

euContador sua contabilidade online completa, de um jeito fácil, simples e econômica.

Aqui a contabilidade é de verdade. Comece agora mesmo.