Todo início de ano é sempre a mesma coisa: começar a reunir a documentação para fazer a Declaração de Imposto de Renda. Quem é organizado e mantém todos os recibos, notas fiscais e comprovantes guardados, tem mais facilidade de preencher os dados requisitados no programa do IRPF, mas, mesmo assim, pode cometer alguns erros na hora dos lançamentos.

Ninguém disse que era fácil declarar o Imposto de Renda, mas temos que fazê-lo mesmo assim. Seja com a ajuda de um contador ou sozinho, fique atento aos X erros mais cometidos no momento de prestar contas ao Fisco:

 

Omissão de rendimentos

Você trabalha em regime CLT e faz alguns freelances para complementar a renda, mas declara apenas os rendimentos do seu trabalho assalariado? Problema na certa! Especialmente se você faz freelances para empresas, pois estas empresas têm que declarar os pagamentos realizados a você. Quando a Receita Federal cruza os dados e vê que você não declarou esse recebimento, sua declaração pode cair na malha fina.

 

Omissão de ganhos de capital

Sabe aquele anexo da sua casa que você aluga para ter uma renda extra no final do mês? Deixar de declarar o recebimento de aluguéis também é um dos erros cometidos no momento de preencher a declaração de imposto de renda.

Outros ganhos de capital, como investimentos, apólices de seguro, venda de imóveis, etc, também devem ser declarados, pois a Receita Federal pode cruzar os dados da sua movimentação bancária com os valores declarados, e assim perceber que você está deixando de informar alguns rendimentos.

 

Não declarar pensão e aposentadoria

Há quem pense que, por serem benefícios concedidos pelo governo, não é preciso declarar pensão e aposentadoria no imposto de renda. Ledo engano. A não ser que o valor que você recebe seja menor do que o teto mínimo do Imposto de Renda, é preciso sim declarar seus rendimentos.

Quem está aposentado e continua trabalhando deve declarar os dois rendimentos no imposto de renda, informando os valores corretamente. Tanto a empresa quanto a previdência fornecem o Comprovante de Rendimentos para que você realize os lançamentos de maneira correta.

 

Declarar dependente com renda

Você tem um filho maior de 18 anos, que trabalha e tem seus próprios rendimentos, mas ainda o coloca como dependente no imposto de renda? Muito cuidado! É preciso verificar se o seu dependente não tem imposto de renda retido na fonte, pois, neste caso, ele mesmo deve fazer a declaração.

Se não for este o caso, para não cair na malha fina, declare os rendimentos do seu dependente. Avalie se essa “fusão” das rendas não acaba sendo prejudicial para a sua restituição, pois em muitos casos vale mais à pena dar a liberdade para que o seu dependente faça sua própria declaração de imposto de renda.

 

Declarar despesas médicas não comprovadas

Uma boa notícia para quem paga planos de saúde e odontológicos é que esses valores podem ser restituídos integralmente no imposto de renda, desde que você tenha todas as comprovações dos valores pagos.

Sabe aquela consulta de emergência fora do plano? Pegue uma nota fiscal para comprovar o pagamento. Caso contrário, nem mencione na declaração de imposto de renda, pois se a Receita Federal pedir comprovação e você não tiver, vem multa pela frente.

 

Declarar o valor de mercado dos imóveis

Outro equívoco bastante praticado no momento de fazer a declaração de imposto de renda é a declaração do valor de mercado dos imóveis que estão em seu nome. O correto é informar sempre o valor da aquisição, ou seja, quanto você pagou pelo imóvel.

No caso dos imóveis financiados, a cada ano some os valores já pagos pelo imóvel, mencionando sempre para qual banco o imóvel está alienado até o final das prestações.

 

Imposto de renda é sempre um mar de dúvidas para quem não está familiarizado com as normas e regulamentos que o regem. O melhor é sempre procurar por um contador para que sua declaração seja entregue corretamente e não haja abertura para questionamentos futuros por parte da Receita Federal.